Curiosidades da história do Cariri: quem criou a denominação “Crajubar”?

Foi o Dr. Jéferson de Albuquerque e Souza (foto ao lado), que também foi o 4º Presidente do Instituto Cultural do Cariri e o 5º Presidente do Rotary Club de Crato. Ele nasceu em Pacatuba, Ceará, em 20 de abril de 1910 e faleceu em Fortaleza, em 17 de fevereiro de 1991. Hoje os seus restos mortais estão sepultados no Cemitério Nossa Senhora da Piedade em Crato, Ceará, cidade que lhe acolheu desde moço e pela qual nutria um grande amor. Filho de Antônio de Albuquerque e Sousa e Diva de Albuquerque e Sousa. Foi casado com dona Letícia de Figueiredo Albuquerque, ela, irmã do escritor J. de Figueiredo Filho, também falecido Filhos: Diana de Figueiredo Albuquerque; Eleonora de Figueiredo Batista; Jefferson de Albuquerque Junior; Ronald de Figueiredo Albuquerque. Ângela de Figueiredo Albuquerque (falecida): Maria Cristina de F. Albuquerque e Antônio José Figueiredo Albuquerque. Um tio do Dr.Jeferson, o desembargador Faustino de Albuquerque, foi governador do Ceará.
Bacharelou-se em Direito em 1935, na faculdade de Direito do Ceará e logo após a formatura, fixou-se na cidade do Crato, dedicando-se à advocacia, juntamente com o Dr. Antônio de Alencar Araripe. Foi durante muitos anos, funcionário do Banco do Brasil, com atuação na sua Carteira Agrícola, como fiscal. Deve-se ao Dr.Jeferson a criação do termo Crajubar (Crato-Juazeiro-Barbalha) que hoje denomina, oficialmente, a conurbação que congrega essas três cidades que formam um único núcleo na Região Metropolitana do Cariri.
Idealizador do movimento de criação da Floresta Nacional do Araripe, era ecologista e foi também subprocurador Geral do Ceará. Poeta, locutor, escultor e pintor. Extravasa seu espírito irrequieto, sua personalidade multiforme e sua ânsia de servir, de se comunicar e de fazer amigos". Além de homem prático e atuante, rendia também suas homenagens às Musas e publicou 3 livros de poesias; Diz Dr. Borges, ao fazer-lhe a biografia: "Era assim o Jefferson, a bondade inexcedível, o homem que amava, acima de tudo a Deus. A família e a Pátria, a humanidade, os amigos e o Crato, aos quais serviu indormidamente, durante mais de 50 anos.”.
A Prefeitura e a Câmara Municipal do Crato prestaram-lhe homenagens. Na sua morte foi Decretado luto oficial no Município, por 3 dias: Hoje é nome de Rua em Crato no Bairro do Seminário (nas casas populares). Foi também, presidente da APAE de Juazeiro, do Sindicato dos Bancários do Cariri, da Comissão Central da Exposição do Crato, da sociedade Cratense de Auxílio aos Necessitados – SCAN - entidade criada sob os auspícios do Rotary Club de Crato. Um homem lutador, digno, eficiente, constante e leal para com todos.


Fonte: Boletim do Rotary Club de Crato, setembro de 2005
Blog do crato

Comentários