Economia de combustível de viaturas estaria afetando policiamento



Veículos da Polícia Militar e da Polícia Civil estariam deixando de circular ou reduzindo os deslocamentos por falta de dinheiro para compra de combustível. A reclamação parte de funcionários públicos e de entidades representativas dos trabalhadores e atingiria também outros setores, como os automóveis usados por agentes penitenciários.

A Polícia Militar informa que houve readequação dos gastos com combustível, em função dos cortes de gastos em todas as secretarias. A Polícia Civil informou que uma cota mensal foi estabelecida. Porém, em ambos os casos, as corporações ressaltam que pode ser autorizada verba suplementar, em caso de necessidade, e negam que veículos tenham ficado parados por falta de combustível. Entretanto, representantes das categorias reclamam da demora para liberação desse recurso extra, o que gera prejuízos ao serviço na ponta.


“Burocracia”

Porém, há queixas sobre o rito para essa liberação. “Se ultrapassar a cota do combustível é preciso uma autorização extremamente burocrática e gera a parada dos policiais por muito tempo”, relatou o deputado estadual Capitão Wagner (PR), presidente de honra da Associação de Profissionais da Segurança (APS). O parlamentar informa que tem recebido reclamações sobre a cota de combustível desde o começo do ano.
Andrade Mendonça, entretanto, afirma que, quando o cartão de combustível é consumido antes do prazo de 30 dias, é feita uma solicitação e o reembolso ocorre de imediato.


Wagner, porém, reforça que o problema tem atingido as atividades. “O policiamento ostensivo não é esperar o crime acontecer, é evitar que ele ocorra. Com as viaturas paradas é difícil”, disse. Para ele, o secretário da Segurança Pública, Delci Teixeira, tem “feito milagre” ao conseguir diminuir os índices de homicídios.


O problema também é apontado pelo presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Gustavo Simplício, que afirma estar havendo racionamento de combustível. Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o valor da cota mensal foi definido a partir de estudo da necessidade de deslocamento. “O montante estipulado possui variáveis dependendo da utilização do veículo. Caso seja necessário o reabastecimento, um novo valor é liberado. Não existe nenhum veículo na frota da Polícia Civil que esteja parado por falta de combustível”. (Jéssika Sisnando - jessikasisnando

Fonte: O Povo

Comentários