Header ads

» » » 57% dos brasileiros acreditam que ‘bandido bom é bandido morto’



Um levantamento apresentado pelo Datafolha nesta quarta-feira aponta que o conceito de “bandido bom é bandido morto” vale para 57% da população brasileira. A uma mostra contratada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). O índice de concordância sobe para 62% em municípios com menos de 50 mil habitantes

Os dados fazem parte do 10° Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que será divulgado nesta quinta-feira. A última pesquisa do tipo foi realizada em 2015. Do último ano para cá, a aceitação da máxima aumentou — na época, 50% da população brasileira dizia ser a favor da morte de criminosos.

A pesquisa fez analise em diferentes grupos, que mostraram que quanto mais velha é a idade, mais a expressão é a aprovada. No grupo de 16 a 24 anos, 54% diz concordar com a declaração. Já entre os que possuem 60 ou mais, 61% estão de acordo. Entre os homens, 60% disseram discordar e 32% disseram concordar. O percentual entre as mulheres mostra que 55% disseram concordar e 36% disseram discordar.

O levantamento ainda mostra que 70% da população sente que as polícias cometem excessos de violência no exercício da função. O percentual sobe entre jovens com idade entre 16 e 24 anos, chegando a 75%.

Mais da metade da população (53%) temer ser vítima de violência por policiais civis e 59% tem mede de ser agredidos por policiais militares. O índice também sobe entre os jovens – 60% têm medo da Polícia Civil e 67%, da Polícia Militar. O estudo ouviu 3.625 brasileiros com mais de 16 anos em 217 municípios de todo país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa apontou também que 64% dos brasileiros acreditam que os policiais são vítimas de criminosos. O anuário do FBSP mostra que, em 2015, 393 policiais foram assassinados 16 a menos do que no ano anterior.

De acordo com o anuário, os policiais brasileiros morrem mais fora do horário de trabalho do que a serviço da corporação: foram 103 mortes durante o expediente (alta de 30,4% em relação a 2014) e 290 fora do serviço (queda de 12,1% em relação a 2014), geralmente em situações de reação a roubo. “O policial, muitas vezes, reage a um roubo sem estar protegido, não têm um colega do lado, ou está trabalhando em ‘bicos’”, afirma ele.

Com informações O Dia

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor nos avise através do Whatsapp (88) 8812-5476. Duvidas, criticas ou sugestões também podem ser enviadas em nosso contato Whatsapp.
Gostou do conteúdo? confira outras noticias em nossa fã page

About Cariri como eu vejo

Olá! Eu sou Leo design web.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply