Header ads

ads

» » Reajuste da conta de luz do cearense pode ficar abaixo dos 10%



O aumento anual da tarifa de energia no Ceará ficará abaixo dos 10%. A partir do dia 22 de abril, o reajuste passará a vigorar, mas o percentual será anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na próxima terça-feira. O índice será menor para os consumidores de baixa tensão (residência) e maior para os de alta (indústrias). Demais estados sofreram reajuste em torno de 20%.
Segundo Erildo Pontes, presidente do Conselho de Consumidores da Enel Distribuidora Ceará (Conerge), o percentual ainda não pode ser revelado antes da homologação da Aneel. Porém, o índice deve ficar abaixo de dois dígitos, ou seja, menor que 10%, segundo sinalizado na reunião, em Brasília, com a Agência.
Até o anúncio oficial do reajuste, Erildo diz que o percentual pode sofrer alguma alteração a partir dos questionamentos que ocorrem em bastidores entre a distribuidora e a Aneel, mas que o resultado deve ficar dentro do patamar já sinalizado. “Diria que é um reajuste aceitável pelos consumidores. Não será como nos anos anteriores, em que chegou a 50% de aumento”.
Neste ano, o reajuste foi puxado pela baixa nos reservatórios de água, que fez com que as térmicas a gás e a diesel fossem acionadas para suprir a demanda energética, gerando custo mais alto do que a geração pela hidrelétrica.
Segundo Jurandir Picanço, consultor na área de energia da Federação das Indústrias do Estado (Fiec) e presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis do Ceará, a Aneel sinalizou que o reajuste será acima da inflação. Um efeito dos encargos que pesam e não são propriamente do custo do serviço, que é a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).
Para tentar minimizar o impacto de reajuste anual, a Aneel criou em 2015 o Sistema de Bandeiras Tarifárias. Adão Linhares, secretário-adjunto de Energia do Estado, explica que antes das bandeiras havia o acúmulo de déficit provocado pela falta de água das hidrelétricas e pelos custos das térmicas adicionadas.
“Então, o reajuste tinha que compensar financeiramente todo o dinheiro que a concessionária tinha emprestado comprando aquela energia mais cara”. As bandeiras ajudaram a compensar a necessidade de energia numa situação crítica.
Conforme Joaquim Rolim, coordenador do Núcleo de Energia da Fiec, os aumentos dos últimos três anos impactaram a competitividade da indústria e a expectativa. “O industrial não consegue colocar isso no preço do produto e os clientes não conseguem pagar a mais. A indústria já não suporta tantos aumentos de energia elétrica”, avalia.
Toda alta é inadequada, porque a população já está sentido a retomada da economia, avalia Cid Alves, presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas). “O aumento dos preços gera insegurança no consumo das famílias e o comércio é o que mais sente, porque no varejo é onde as famílias fazem suas compras”. Cid observa que o reajuste acaba por deslocar o dinheiro que seria aplicado no consumo para o pagamento adicional de energia. Nesse sentido, energia eólica e solar oferecem um custo melhor.    
(O Povo)
FOTO: Helene Santos-Diário do Nordeste

About Cariri como eu vejo

Olá! Eu sou Leo design web.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply