sexta-feira, 12 de abril de 2019

Ciro diz que autonomia do Banco Central é caso para ‘ir pra rua e quebrar tudo’


O ex-ministro e candidato derrotado à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) criticou a proposta de autonomia do Banco Central , anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro como uma das medidas dos seus 100 dias de governo, afirmando que a eventual aprovação seria caso de “ir pra rua e quebrar tudo”.

“Se começar a privatizar os dois últimos bancos públicos e entregar o Banco Central ao predomínio do sistema financeiro, simplesmente se está destruindo a sustentação do povo brasileiro. Isso é daqueles casos de a gente ir pra rua e quebrar tudo”, afirmou o ex-ministro, ressaltando que ainda não conhecia o teor do projeto anunciado pelo governo.

Questionado sobre a expressão, Ciro afirmou se tratar de uma metáfora e do efeito de ter recebido a notícia pelos jornalistas no meio da entrevista, mas disse que uma medida como esta da autonomia do Banco Central não pode ser aceitada passivamente.

“Atribua minha reação a uma surpresa que acabei de ter, mas não acho que o povo brasileiro deva aceitar passivamente uma medida dessas. Uma maneira de reagir é ir pra rua de forma calorosa. E eu não vou mandar ir, eu vou junto”, disse.

Também nesta quinta-feira (11), o PDT lançou plataforma, chamada Observatório Trabalhista, pela qual pretende acompanhar os indicadores do governo Bolsonaro. Foram apresentados números que indicariam queda na execução orçamentária nos primeiros dias da atual gestão nas áreas de segurança, saúde e educação.

Ciro por algumas vezes ressaltou que ainda não podia cobrar resultados efetivos do governo, mas questionar direções apontadas. Nesta linha, fez ataques à política externa que começa a ser implementada.

“O governo Bolsonaro, na minha opinião, já merece crítica severa em relação à forma e conteúdo com que tem se posicionado, é quase criminosa a conduta do governo brasileiro em relação aos interesses nacionais e subalternação a interesses, é chocante e constrangedora a vassalagem do governo brasileiro ao império norte-americano”, declarou.

Sobre a reforma da Previdência , o ex-ministro afirmou que sua proposta prevê um regime de capitalização apenas após um patamar salarial superior a R$ 4 mil, a manutenção de um regime de repartição até este montante e a garantia de se manter todos os benefícios previdenciários vinculados a um salário mínimo. Para ele, a proposta enviada pelo governo atual deve ser rejeitada pelo Congresso. “Estaríamos produzindo uma imensa e precoce legião de mendigos de idade elevada no Brasil”, sustentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário