sexta-feira, 3 de maio de 2019

Indústria de calçados tem queda e diminui pela metade produção no Cariri


As indústrias calçadistas chegaram ao Cariri na década de 70 e até hoje tem seu espaço na região, mas apesar de ainda ser o maior polo do Nordeste, hoje as fábricas locais enfrentam sérias dificuldades. Há alguns anos, os empresários vem demitindo e fechando as portas. As fábricas que permanecem tentam se reinventar e sobreviver diante da crise que afeta não só o Cariri, mas todo o cenário comercial do Brasil.

Segundo dados do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), o município de Juazeiro do Norte, por exemplo, aumentou em 7,4% a exportação (vendas para fora) de calçados este ano em relação ao mesmo período do ano anterior, movimentando US$ 98,9 mil. Apesar do número parecer vantajoso, as importações (compras de fora) somaram um total de US$ 631,7 mil, ou seja, um déficit de US$ 532,8 mil.

Segundo Abelito Sampaio. presidente do Sindicato das Indústrias de Calçados e Vestuário no Cariri (Sindindústria), em número de pares, o Ceará é o primeiro no ranking nacional, sendo também o que mais produz chinelos. Apesar disso, em faturamento, o primeiro da lista é o Rio Grande do Sul, que faz calçados mais caros. No ranking geral, o polo Cariri é o terceiro maior polo do Brasil.

Apesar da grandiosidade, um terço das fábricas da ragião fecharam nos últimos anos. Segundo Abelito, eram aproximadamente 300 fábricas há cinco anos, e hoje são apensas 200. Um mercado que antes gerava 15 mil empregos, hoje sustenta, com dificuldade, 8 mil.

“A indústria dos calçados continua estagnada, há picos de melhora, mas são momentos isolados”, diz Abelito, e completa, “quando o mercado reage um pouco a gente se anima, acredita”, conta, afirmando que apesar de a crise estar demorando muito a passar, “o empresário é sempre otimista”.

O presidente do Sindindústria ainda afirma que os empresários de calçados do Cariri estão evitando ao máximo novas contratações, e que continuam “com o pé atrás”. A queda nos lucros está entre 40 e 50 %.

Anderson Ferreira, gerente de produção de uma fábrica de calçados no Cariri, afirma que há cinco anos a indústria vem em declive. A produção caiu pela metade e os trabalhadores contratados pela fábrica também. Antes eram em torno de 140, hoje são apenas 64. Já a produção era de 6 mil pares por dia, número que hoje não passa de 3,5 mil.

Numa queda em torno de 30% ao ano, Anderson conta que a primeira reação da empresa foi cortar o quadro de funcionários e mudar a forma de trabalhar, passando de representantes para vendedores nos estados onde distribuem os calçados. O faturamento mensal, que antes girava em torno de 600 mil, hoje caiu pela metade.

Anderson acredita que a queda não se deu somente devido aos outros estados, que expandiram a produção no ramo, como Nova Serrana, em Minas Gerais, mas também à crise que o Brasil enfrenta. “Queremos nos mudar para um espaço maior, já estamos com o projeto pronto, mas para isso tem de haver demanda” conta, confessando que a expectativa é de que, a partir de junho, o comércio reaja novamente, “com o comércio melhorando, podemos investir”, completa.

Após ter registrado crescimento de 1,1%, em 2017, o setor calçadista brasileiro ficou relativamente estável em 2018, com expansão de apenas 0,1%. As exportações diminuíram 10,8% . Segundo o relatório Setorial da Indústria de Calçados de 2019, produzido Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), a parada “deu-se em resposta ao mercado interno”. Em 2014 a produção que alcançava 1 bilhão de pares passou para 944 milhões em 2018.

Em resposta à diminuição, a produção em reais caiu ainda mais, 2,3% de 2017 para 2018, indicando que o preço final do produto baixou, por enfrentar dificuldade no repasse dos custos ao consumidor.

Quanto às perspectivas para 2019, a Abicalçados espera um crescimento entre 1,1% e 3,4% em relação ao ano anterior. Em reais, a projeção é de aumento entre 2,9% e 5,3%.

Fonte Badalo

Nenhum comentário:

Postar um comentário