H1N1: Ceará registra sete mortes pela doença


O Ceará registrou sete óbitos causados pela influenza H1N1 em 2019, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) divulgado nesta segunda (10). Os dados, contabilizados até o dia 1º de junho, representam 13% das 53 mortes ocasionadas por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) neste ano. Além disso, revelam uma queda de 87% em relação ao mesmo período do ano passado, quando houve 57 mortes pelo vírus.

Até abril, o monitoramento da Sesa mostrava apenas um óbito pela doença, ocorrido no mês de março. A vítima era do sexo masculino, com faixa etária entre 40 a 49 anos, e não fez tratamento com o tamiflu, principal medicamento utilizado para tratar a gripe. No entanto, a Sesa notou, nas últimas semanas, “um incremento dos casos notificados de SRAG na macrorregião do Cariri”. 

Quatro casos de H1N1 foram confirmados no mês de maio nos municípios de Juazeiro do Norte e Crato, com três mortes. A informação foi confirmada pela Secretaria. Entre as mortes, está a da estudante de nutrição Rafaela Callou de Sá Barreto, de 23 anos. Ela estava internada em uma clínica particular de Juazeiro do Norte e faleceu após três paradas cardiorrespiratórias, na madrugada de 4 de junho.

A segunda morte confirmada ocorreu no mesmo dia. A vítima foi o padre José Luismar Rodrigues, da  Paróquia Nossa Senhora das Angústias, em Tarrafas. Ele estava internado num hospital do Crato. Ainda conforme o boletim da Sesa, outros seis óbitos foram causados pela influenza A H3/sazonal; seis pela influenza B e dois pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR). Vinte e uma mortes não tiveram o agente etiológico especificado, e 11 estão em investigação.

ImunizaçãoA vacina contra a influenza é trivalente e protege contra três tipos da doença: a H1N1, a H3N2 e a B/Colorado/06/2017. Até 13h desta segunda (10), o Ceará havia vacinado 2.266.437 pessoas contra a gripe. O alcance representa cobertura de 88,4% do público-alvo, enquanto a meta do Ministério da Saúde é chegar a 90%. A vacinação no Estado foi prorrogada até a próxima sexta (14).             

       (Diário do Nordeste)

Comentários