Área sem seca relativa no Ceará reduz em junho e reforça a necessidade do uso consciente da água


Os dados do Monitor de Secas reforçam a necessidade de usoconsciente da água. Atualmente, dos 155 açudes monitorados pelaCompanhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh), 76 estãocom volume inferior a 30%.

FOTO: Leandro Castro

A área sem seca relativa no Ceará sofreu nova redução no comparativo entre os meses de maio e junho, conforme os dados mais recentes do Monitor de Secas da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Segundo o monitoramento regular, no primeiro mês, o estado apresentava 50,63% do seu território sem seca relativa. Já no último, 41,21%.

Em junho, primeiro mês da Pós-Estação no Ceará, as chuvas já são mais escassas. A média do período é de apenas 37,5 milímetros e, neste ano, o acumulado do mês ficou em 28,4 mm. Tal cenário colabora para o avanço da estiagem e, em consequência, redução da área sem seca relativa. Além dos dados de precipitação, são considerados outras variáveis como os níveis de reservatórios, vegetação e de umidade de solo.

Além da redução da taxa do território sem seca relativa, houve aumento da seca moderada, que é o atual nível mais intenso a ser registrado no Ceará. Em maio, o observado desta classificação era de 16,89%, passando para 21,94% em junho. Desde abril o estado não apresenta condições de seca grave, extrema e excepcional.

O centro-sul do Ceará é a porção que apresenta seca, conforme dados do Monitor. Esta área é, justamente, aquela que vem apresentando menores índices de chuva, conforme também já havia sido indicado nos prognósticos climáticos produzidos pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) em janeiro e fevereiro.

Situação hídricaOs dados do Monitor de Secas reforçam a necessidade de uso consciente da água. Atualmente, dos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh), 76 estão com volume inferior a 30%.
No segundo semestre do ano, as precipitações costumam ser mais escassas. No mês de julho, a média é de apenas 15,4 mm. Já em agosto, cai para 4,9 mm e, em setembro, 2,2 mm, conforme dados da Funceme.

via Gazeta Cariri

Comentários