No Nordeste, quase 300 mil pessoas não retiraram o PIS/Pasep


Um total de 2,04 milhões de trabalhadores que tinham direito ao abono salarial PIS/Pasep do ano-base 2017 não retiraram o valor. O dinheiro equivale a R$ 1,32 bilhão e ficou retido no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

A informação foi divulgada pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia nessa sexta-feira (6) e representa 91,72% do valor disponível para ser pago.

O Nordeste foi uma das regiões com maior número de pessoas que não sacaram o benefício. Ao todo, foram 296.451, seguida do Centro-Oeste (212.493) e Norte (127.605). As regiões Sudeste (1.001.660) Regiões Sul (400.208) registraram o maior número.

Por outro lado, 22,6 milhões de trabalhadores nos últimos 11 meses sacaram o PIS/Pasep, cujo prazo terminou em 28 de junho. O valor representa um acréscimo de R$ 17,3 bilhões na economia do país.

Quem tem direito

Os inscritos no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há pelo menos cinco anos; Quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias em 2017, recebendo até dois salários mínimos;

Os dados do trabalhador precisam estar informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Retirada

Os empregados da iniciativa privada sacaram o abono do PIS nas agências da Caixa Econômica Federal. Já os servidores públicos e empregados de estatais fizeram a retirada nas agências do Banco do Brasil. O abono salarial ano-base 2017 começou a ser pago em 26 de julho de 2018.

O valor recebido depende do tempo trabalhado formalmente em 2017. Quem trabalhou por apenas 30 dias sacou o valor mínimo, que é de R$ 84. A quantia subia 1/12 por mês trabalhado até atingir um salário mínimo (R$ 998), para quem trabalhou durante todo o ano.

O trabalhador que não fez o saque no prazo estabelecido, até 28 de junho, deverá buscar orientações em uma das unidades de atendimento da Secretaria de Trabalho ou entrar em contato com a Central de Atendimento 158 para informar-se sobre como proceder.

(*) Informações da Agência Brasil.

Comentários