Segundo motorista envolvido no atropelamento que matou mãe e filho em Juazeiro se apresenta à polícia


A Polícia Civil do Ceará ouviu na tarde desta quarta-feira (4) o segundo motorista suspeito de envolvimento no atropelamento que matou mãe e filho na CE-292, no trecho entre as cidades de Juazeiro do Norte e Missão Velha. O acidente foi registrado na segunda-feira (2), quando eles retornavam da escola. O motorista foi intimado a depor na terça-feira (3), mas só compareceu à delegacia nesta quarta, acompanhado de uma advogada. O depoimento aconteceu na Delegacia de Roubos e Furtos e Crimes de Trânsito em Juazeiro do Norte.

Segundo a delegada que esta à frente do caso, Carla Guedes, o motorista, que dirigia um veículo Gol, disse em depoimento que tentou desviar de outro carro, um Golf, mas acabou se chocando contra ele. Depois, alegou, ficou com medo e deixou o local.

“A versão dele foi que o motorista do Golf teria freado de forma brusca. Como na avenida não tem acostamento, ele freou na pista e esse motorista do Gol teria colidido na traseira dele. E razão disso ele achou que teria sido apenas um acidente de trânsito normal em colisão entre veículos e teria saído do local com medo. Ele alega que não sabia que teria atingido pessoas”, afirmou.

O primeiro suspeito já havia prestado esclarecimentos. “Ele disse que um outro veículo bateu na traseira dele e ele perdeu o controle do carro e bateu na moto”, disse a delegada.

A polícia conseguiu chegar ao veículo e ao motorista envolvido através de imagens de câmeras segurança.

Laudo da perícia e direção perigosa
O laudo da perícia feita nos dois veículos ainda não saiu. A previsão é que seja divulgado em um prazo de 30 dias. Apesar do prazo, a delegada pediu agilidade no processo. Segundo a polícia, existe ainda a informação de que os dois motoristas envolvidos no acidente dirigiam com imprudência numa disputa para ver quem corria mais.

“Chegou ao nosso conhecimento essa informação de que seria teria essa ocorrência de alta velocidade entre eles, mas a gente não conseguiu provar esse fato nem que existiu e que não existiu”, afirmou Carla Guedes.

Acidente
Maria Cleide Rodrigues Paulo, de 46 anos, estava na motocicleta com os dois filhos, Pedro Lucas Rodrigues Paulo, de 6 anos, e Clara Samila Rodrigues Paulo, de 22 anos. Mãe e filha tinham ido buscar a criança na escola. Maria Cleide e Pedro não resistiram aos ferimentos e morreram no local.

A filha mais velha foi encaminhada para o Hospital Regional do Cariri. Ela passou por uma cirurgia e apresenta um quadro de saúde estável.

“Eu recebi as fotos do acidente em um grupo, conheci e entrei em desespero. A criança é da idade do meu filho. Tenho família na comunidade onde eles moravam, todo domingo estamos juntos”, conta o pintor e amigo da família, Alexandre Sousa.

(Diário do Nordeste)

Postar um comentário

0 Comentários