TV Verdes Mares exibe final histórica da Copa de 1994 neste domingo (26)


A final deste domingo vive no imaginário de todos que gostam de futebol e são apaixonados por Copa do Mundo. Os gritos de Galvão Bueno de “É tetra! É tetra!”, abraçado a Pelé e Arnaldo Cézar Coelho, surgem facilmente na nossa mente assim que fechamos os olhos para lembrar daquele 17 de julho de 1994. São essas históricas cenas que serão revividas a partir das 15h30 deste domingo (26), quando a TV Verdes Mares exibe a final da Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos, com narração original da Rede Globo.

Naquele ano, o futebol brasileiro chegava ao Mundial cercado de incertezas. A classificação para a competição veio nos momentos finais das Eliminatórias após Parreira ceder e convocar Romário. Na partida épica contra o Uruguai, o “Baixinho” fez gol e comandou a Seleção na vitória e na classificação.

Campanha vitoriosa

Mas logo nos primeiros jogos, o Brasil de Romário, Bebeto, Branco e Leonardo mostrou que aquela Copa seria diferente. Dominou e venceu Rússia e Camarões. Empatou com a Suécia, que se mostrou a revelação daquele torneio. Os dois se reencontraram na semifinal. As fases eliminatórias foram de partidas difíceis, mas sempre contando com a genialidade da dupla Bebeto e Romário para resolver. Romário, então, foi o mentor daquela equipe. Contra os EUA, 1 a 0. Contra a Holanda, uma partida histórica e vitória apertada por 3 a 2. E na semifinal, um reencontro com a Suécia. Novo jogo difícil, mas o triunfo canarinho dessa vez. Romário subiu no meio dos grandalhões Suécia e testou para as redes: 1 a 0.

A decisão

Diante de 94 mil pessoas, no Estádio Rose Bowl, o Brasil de Carlos Alberto Parreira teve mais posse de bola que a Azzurra, mas finalizou pouco. Num dos lances mais emblemáticos, Pagliuca beijou a trave após quase levar um frango em chute de Mauro Silva. Romário e Baggio, os craques das seleções, passariam em branco no tempo normal e na prorrogação.

Na decisão por pênaltis pela primeira vez na história, Brasil e Itália, tricampeões mundiais e revivendo uma decisão desde 1970, estavam sendo iguais também. Nos acertos e nos erros. Até a hora que Baggio veio obrar sua penalidade. O chute foi longe, isolando a bola e deixando sair o grito de campeão: É tetra!

Foto: CBF
Fonte: Diário do Nordeste

Comentários