Novo coronavírus já circulava em janeiro no CE sem ser detectado


Em janeiro, o novo coronavírus já circulava no Ceará sem ser detectado pelas autoridades de saúde do Estado. A secretária executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), Magda Almeida, garante que a pasta hoje tem ciência que o tempo de circulação do vírus antecede em mais de dois meses a data em que o Estado conseguiu confirmar os primeiros casos da doença, 15 de março.

No Brasil, o registro inicial de detecção do coronavírus feito pelo Ministério da Saúde é dia 26 de fevereiro, em São Paulo. Magda explica que a constatação ocorreu a partir do acesso e avaliação por parte da Sesa a dados retroativos, sobretudo, de casos atendidos na rede privada. O IntegraSUS, plataforma da Sesa, registra que em janeiro e fevereiro já havia 166 casos da doença em 11 cidades do Estado, sendo o início por Fortaleza.

Dados da Pasta apontam que, se levada em conta a data de início dos sintomas, o Ceará teve caso de Covid-19 no dia 1º de janeiro. Mas, se considerado o resultado dos exames, a data de registro de caso é dia 20 de janeiro. Antes da sistematização desses dados, o dia 15 de março era registrado como o início oficial de detecção de circulação do coronavírus no Estado. Em janeiro, a Sesa aponta que havia casos em Fortaleza, Caucaia, Eusébio, Itaitinga, Horizonte e Sobral. Em fevereiro, além destas cidades, há dados sobre ocorrências também em Itapipoca, Maracanaú, Pacajus, Quixadá e Sobral.

Mas, a partir de que evidências se faz essa projeção? Para chegar a essa estimativa, a Sesa se baseia em, pelo menos, dois indicadores, conforme Magda. Um deles é o relato feito pelos próprios pacientes e registrados no prontuário de notificação dos possíveis casos. Na rede privada, as pessoas contaminadas pelo vírus (ainda em janeiro, quando não se sabia da circulação no Brasil) já alegavam, segundo a Secretaria da Saúde, terem sintomas semelhantes aos hoje ligados à Covid-19.

Outro fator são os testes cuja notificação foi feita pela rede privada de forma atrasada. Segundo a Sesa, é preciso considerar que em janeiro, além da demora nos testes, com semanas de espera pelo resultado, não havia a ideia de que o vírus já circulava no Brasil, portanto, as pessoas buscavam a rede hospitalar acreditando estarem acometidas por outras enfermidades.

Inúmeros dados desse tipo não haviam sido reportados à Pasta e só entraram no sistema de informações depois que o Ceará já estava passando pelo surto. “A gente teve duas coisas importantes. Esses primeiros casos ocorreram principalmente na iniciativa privada, fazendo a retrospectiva. A gente têm algumas dificuldades com a notificação da iniciativa privada. Então, eram casos que a gente não estava nem sabendo como Secretaria do Estado. Alguns deles (pacientes) tinham sido internados por outros motivos. Outra questão é que os exames de Covid-19 ainda não tinham chegado aqui. Em janeiro e fevereiro, não tinha exames para Covid-19 no Ceará. Então, essas pessoas foram internadas, provavelmente, por outros motivos”, diz Magda.

Ela reitera: “depois que saíram os resultados, a gente coletou exames de pessoas que tiveram sintomas em janeiro, em fevereiro. É por isso que aparece esses casos de início de janeiro. Percebemos que, em janeiro, já tinha pessoas que foram confirmadas depois e que apresentaram sintomas antes. As pessoas já tinham coronavírus desde janeiro, que foi quando o vírus começou a circular aqui. Mas, não significa que a gente sabia disso. Porque a gente só conseguiu confirmar o primeiro caso em março”. Ela diz ainda que dados sobre casos ocorridos ainda em janeiro ou fevereiro continuam sendo investigados e, à medida que os laboratórios vão informando os resultados de exames passados, os dados vão sendo disponibilizados no IntegraSUS.

Marco

Questionada sobre qual o impacto efetivo dessa descoberta, além do estabelecimento de um novo marco temporal para circulação do vírus no Estado, Magda explica que “Hoje não tem mais tanto impacto. Mostra para a gente que, durante dois meses, o vírus circulava já aqui e sem ser surto, em casos restritos”. A Sesa identifica também que esses casos eram importados de turistas ou habitantes do Ceará que tinham viajado.

Em relação à gravidade desses casos, Magda garante que não se pode dizer que “eram casos com sintomas leves, pois sabemos que tiveram pessoas internadas, mas a gente não tinha o exame aqui no Ceará. São pessoas que demoravam, às vezes, mais de 2 semanas para chegar os testes”. No fim de janeiro, conta Magda, o Ceará começou a coletar exames e enviar para serem testados em outros Estados. Além disso, a Sesa, “começou a perceber um adoecimento maior na rede privada. E começamos a cobrar no fim de janeiro dos hospitais essa notificação”.

Magda garante que, por mais de um mês, após esse início das testagens, a Secretaria da Saúde insistiu junto às unidades hospitalares privadas sobre a importância das notificações. Hoje, garante ela, a realidade tem mudado e há um “canal de comunicação muito bom com os laboratórios e hospitais privados”. “Mas era uma coisa que não existia antes de se instaurar a epidemia aqui. A gente correu depois que esses exames foram confirmados, para depois ir ajustando todo esse processo de trabalho”.

Brasil

Uma pesquisa liderada pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e realizada por pesquisadores de Brasil e Uruguai, publicada esta semana na revista Memórias do IOC, aponta que a circulação do novo coronavírus no Brasil foi iniciada até quatro semanas antes dos primeiros casos serem registrados em países da Europa e das Américas. O estudo, baseado em uma metodologia estatística de inferência a partir dos registros de óbitos, constata que enquanto os países monitoravam os viajantes e confirmavam os primeiros casos importados da Covid-19, a transmissão comunitária da doença já estava em curso.

Conforme o estudo desenvolvido, o início da disseminação antecederia em mais de 20 dias a confirmação do primeiro caso oficial no Brasil. No trabalho, os pesquisadores investigaram a situação da China e países da Europa ocidental, América do Norte e do Sul mais afetados até o dia 5 de abril, são eles: Bélgica, França, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil.

A pesquisa conclui que o contágio local começou bem antes do reconhecimento oficial e da adoção de medidas de distanciamento social e restrições de viagens. A reportagem solicitou contato com os pesquisadores, mas segundo a Fiocruz, eles não estavam disponíveis até o fechamento desta edição. A reportagem contactou o Ministério da Saúde para repercutir tanto as informações do IntegraSUS como os achados da pesquisa do IOC, mas não teve resposta.

Foto: Reprodução

Fonte: Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários