Sistema prisional do Ceará atinge a marca de 25 mil máscaras produzidas


A produção é realizada por internas e internos qualificados pelo Senai, em 6 unidades prisionais do Estado

O trabalho de qualificação realizado em 2019, em parceria com o Senai, rende resultados práticos no trabalho de prevenção e combate ao Coronavírus. Neste momento, 52 internas e internos do sistema prisional cearense produzem máscaras de proteção para as 30 unidades prisionais do Estado. Qualificados e certificados pelo Senai ano passado, os detentos já produziram 25 mil máscaras, que já foram distribuídas entre as unidades.

O secretário Mauro Albuquerque reforça a ampliação das unidades na confecção do material, a projeção de metas e a importância das parcerias nesse trabalho. “Já temos 6 unidades prisionais em plena operação na produção das máscaras. Hoje o Estado do Ceará sai na frente e garante máscaras de proteção a todos os presos que saem para o banho de sol, além da proteção dos nossos servidores. Em breve chegaremos a 150 mil unidades produzidas e manteremos como uma política permanente do sistema. Esse trabalho é possível com o firme apoio da Cruz Vermelha, do Senai e as empresas que fizeram doação de matéria-prima”, atesta.

A coordenadora de Inclusão Social do Preso e do Egresso da SAP, Cristiane Gadelha, detalha o processo da operação. “Iniciamos no dia primeiro de abril a produção de máscaras em TNT na unidade feminina e na Penitenciária do Cariri para produzir máscaras aos internos e servidores. A competência técnica dos detentos, o desejo de contribuir e a possibilidade da diminuição da pena com o trabalho fez com que a gente rapidamente evoluísse para mais unidades, ampliasse as metas e conseguisse atingir mais pessoas com o equipamento”, detalha.

Interno da Cadeia Pública do Crato, Adriano Moraes, comenta sobre sua atuação no projeto. “Para nós esse projeto chegou num momento oportuno. Nessa situação crítica de pandemia, a produção de máscaras é muito importante. Uma das coisas que nos deixa mais felizes é saber que ajudamos as pessoas da cadeia do Crato e e as pessoas de outras unidades” fala. Já o interno do IPPOO2, Aristone Procópio, detalha seu momento pessoal na produção. “Importante a gente participar do projeto de produção de máscaras para os internos e a população. Com certeza, tanto eu como os outros internos vamos trabalhar com projetos de costura na liberdade, atesta.

Fotos: Ascom SAP

Fonte: Governo do Estado do Ceará

Comentários