Mortes por Covid-19 no Ceará ultrapassam 4 mil; há 64.615 casos confirmados


O Ceará chegou 4.010 mortes pelo novo coronavírus, conforme os dados plataforma IntegraSUS, a Secretaria de Saúde do Estado, atualizados às 10h12 desta segunda-feira (8). Já são 64.615 casos confirmados de Covid-19 no Estado. 4 óbitos foram registrados nas últimas 24h.

Fortaleza, onde parte do comércio de rua e shoppings voltaram a abrir nesta segunda-feira, registrou 2.467 óbitos em decorrência da doença. A capital é a cidade com o maior número de casos, com 27.460 ocorrência. Em seguida está Sobral, com 3.067 confirmações e 132 mortes.

Sobral e outras três cidades da Região Norte, Itarema, Acaraú e Camocim, estão em lockdown para evitar a disseminação.

Na Região Metropolitana, Caucaia tem 149 óbitos pela doença, enquanto Maracanaú tem 154 registros. As duas cidades tem 2.404 e 2.223 casos confirmados, respectivamente.

Em todo o Estado, já foram realizados 150.279 testes para detectar o Sars-Cov-2. Há 54.986 casos supeitos, ainda em investigação.

para fiscalizar uso de recursos
Covid-19: um infectado transmite para menos de uma pessoa em Fortaleza, diz secretário da Saúde

Em todo o Estado, já foram realizados 150.279 testes para detectar o Sars-Cov-2. Há 54.986 casos supeitos, ainda em investigação.

Flourish logoA Flourish chart
A letalidade da doença é de 6,2. Conforme o IntegraSUS, 46.020 pessoas conseguiram se recuperar da doença no Ceará.

A taxa de ocupação das UTIs está em 77,14%, enquanto a de enfarmarias é de 51,55%.

Processo de retomada

Com o a implantação da Fase 1 do Processo de Retomada Econômica em Fortaleza, a partir desta segunda-feira (08), comércios e shoppings começam a reabrir na Capital. Todos os estabelecimentos deverão respeitar protocolos sanitários para prevenir a disseminação da covid-19. Nos shoppings o horário será reduzido, das 12h às 20h.

Segmentos que já vinham funcionando desde o período de transição, na semana passada, poderão operar com o dobro do efetivo – passando de 20% para 40% da força de trabalho de forma presencial, caso da construção civil (limitado a 100 operários por obra), indústria de calçados, têxtil e confecção.

Foto: Helene Santos

Fonte: Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários