Entrega de sementes prevista para a primeira semana deste mês no Cariri ainda não começou


Em novembro passado, a Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA) anunciou para a primeira semana de dezembro o início da distribuição antecipada de sementes do programa Hora de Plantar. O calendário previsto, entretanto, ainda não foi cumprido.
O Ceará é o único estado brasileiro que mantém uma ação de governo de distribuição de sementes e de mudas para a agricultura familiar, com o objetivo de fortalecer o segmento, gerando produção e renda no campo.

De acordo com nota da SDA, os gestores dos escritórios regionais da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ematerce) vão definir até a próxima segunda-feira (14) o calendário de entrega das sementes e das mudas, que deve começar por Milagres e Barbalha, na região do Cariri, e Quixeramobim, no Sertão Central.

O agricultor Antônio de Noé confirmou a boa produção de milho que obteve na safra de sequeiro deste ano. “Com sessenta dias, o milho já dá para colher, é mais rápido, cresce mais igual e a espiga de milho é maior do que os grãos que a gente plantava”, observou.

A esperança de uma quadra chuvosa favorável, já a partir do próximo mês, faz com que os agricultores antecipassem o preparo do solo para o plantio. Na localidade de Alencar, zona rural de Iguatu, nesta semana, o produtor de base familiar Antônio Araújo começou a cortar a terra para semear milho e feijão de forma consorciada. “Quero plantar nas primeiras chuvas porque acho que o inverno vai começar mais cedo”, prevê. A terra seca, levanta um pouco de poeira, com o serviço manual de preparo do solo.

Parte dos produtos que integram o Hora de Plantar já está nos armazéns regionais e outra remessa segue para as cidades de Barbalha e Jardim, no Cariri; Tauá, na região dos Inhamuns; Iguatu, no Centro-Sul; Morada Nova e Quixeramobim, no Sertão Central; Crateús e, por último, para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Há uma expectativa entre os agricultores de que as chuvas sejam intensificadas já no início de 2021, mas a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e outros institutos meteorológicos somente divulgam na segunda quinzena de janeiro próximo o primeiro prognóstico para a quadra chuvosa de 2021 (fevereiro a maio).

Dezembro e janeiro são meses de pré-estação chuvosa no Ceará. Na região do Cariri, geralmente, as chuvas começam a partir da segunda quinzena de dezembro e se intensificam a partir de janeiro.

Para a safra de sequeiro de 2021, o programa Hora de Plantar prevê a distribuição de 3.410 toneladas de sementes de milho híbrido e variedade, feijão caupi e sorgo forrageiro, além de 5,71 milhões de raquetes de palma forrageira, 2.750 m³de maniva de mandioca, 348.734 mudas de cajueiro anão precoce, 19.364 mudas frutíferas e 83.286 mudas florestais nativas  em atendimento a 150.245 mil agricultores.

O investimento é de R$ 19,2 milhões. Todas as regiões do Ceará serão beneficiadas e o objetivo da ação é apoiar a produção de sequeiro, que depende exclusivamente da chuva, da agricultura familiar, ampliando a renda no campo. Já são 34 anos seguidos do programa. “Priorizamos a mandioca e o sorgo forrageiro que têm demanda ampliada entre os agricultores”, pontuou o governador Camilo Santana.

A distribuição aos agricultores em todos os 182 municípios cearenses atendidos pelo programa deve ser encerrada na primeira quinzena de fevereiro de 2021.
Nos últimos cinco anos, o Hora de Plantar já realizou a entrega de 15.662,89 toneladas de sementes, 35 milhões de raquetes de palma forrageira e 22.642 m³ de maniva de mandioca. A ação distribuiu ainda 1.814.159 mudas de caju anão precoce, 646.863 mudas de essências florestais nativas e 12.685 mudas de outras frutíferas.

O titular da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), Francisco de Assis Diniz, lembrou que a safra de grãos de sequeiro de 2020 foi de 840 mil toneladas, maior do que a de 2019, que foi de 534 mil toneladas. “No Ceará são 350 mil agricultores familiares e cerca da metade é atendida pelo programa Hora de Plantar”, pontuou. “Esse apoio traz impacto positivo para a safra oriunda dos pequenos produtores”.

A produtividade da safra de grãos decorre diretamente da qualidade das sementes, que recebe fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O governador Camilo Santana disse que fortaleceu o programa por entender a importância dele para a agricultura familiar no Ceará.

FOTO: Honório Barbosa

Fonte: Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários