Professora é proibida de entrar em Secretaria de Educação por “roupa inadequada”


Tânia Maruska Petersen, professora da rede municipal de Natal, no Rio Grande do Norte, foi impedida de entrar no prédio da Secretaria de Educação do estado por estar com uma “roupa inadequada”, um vestido. O caso ocorreu na última quinta-feira (11/11). A professora disse que ficou constrangida e que considerou o episódio um caso “típico de machismo”. “Em pleno século 21 é inadmissível que uma mulher seja julgada pela roupa que está usando. Principalmente porque o meu vestido não é inadequado. Fica claro que é mais um caso de machismo”, disse ao G1.

Tânia trabalha na escola Zuleide Fernandes e na quinta passada precisou ir até a secretaria de Educação para assinar documentos. Quando chegou ao prédio, foi abordada por um segurança que disse que ela não poderia entrar devido a sua vestimenta, quando ela perguntou o que seria considerado “adequado” o homem afirmou que chamaria o chefe para lidar com a situação.

“Meu vestido não era curto pra ser taxado de inadequado. Fiquei muito triste, envergonhada, foi uma situação vexatória. Eu sou uma excelente profissional. Eu estudo, invisto no meu trabalho, chego cedo, cumpro minhas atividades, e vou ser julgada pela roupa que eu uso?” contou Tânia.

Após a denúncia de Tânia a secretaria divulgou uma nota dizendo que vai apurar o caso. “Sobre o episódio denunciado pela professora Tânia Maruska Petersen, a Secretaria Municipal de Educação de Natal está apurando os fatos para tomar as devidas providências. A SME-Natal lamenta o episódio e esclarece que na ocasião a professora foi atendida na sequência em sua demanda pela diretora do Departamento de Administração Geral.

Na oportunidade, a SME-Natal reafirma o respeito às professoras e professores, como também, a qualquer cidadã ou cidadão que procura atendimento na sede da SME-Natal, no Centro Municipal de Referência em Educação Aluízio Alves (Cemure), ao anexo no qual funciona o Departamento de Atenção ao Educando (DAE) e nas 146 unidades de ensino distribuídas pelas quatro regiões administrativas da cidade.”

Postar um comentário

0 Comentários