Desenrola Brasil: Regras do programa de renegociação de dívidas de pessoas físicas são divulgadas


Foi publicada na edição desta quarta-feira (28), do Diário Oficial da União a portaria do Ministério da Fazenda oficializando as regras do programa Desenrola Brasil, que prevê a renegociação de dívidas”. Ele será dividido em duas faixas e prevê o perdão de dívidas de até R$ 100. A pasta da Fazenda estima que 70 milhões de pessoas sejam beneficiadas pela iniciativa. Antes do início das renegociações, o governo fará um leilão para a adesão de credores. As instituições que oferecerem mais descontos serão contempladas. Veja as regras do programa Desenrola Brasil: Faixa 1 Contempla pessoas com renda mensal de até dois salários mínimos ou inscritas no Cadastro Único (CadÚnico). Poderão ser renegociadas dívidas de até R$ 5 mil, feitas entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2022. O programa não abrange: dívidas com garantia real; dívidas de crédito rural; dívidas de financiamento imobiliário; operações com funding ou risco de terceiros. Dívidas oriundas de empréstimo consignado serão atendidas pelo programa. Renegociação dos débitos será feita por meio de uma plataforma digital. O devedor entrará no sistema com seu login do portal gov.br e escolher uma instituição financeira inscrita no programa para fazer a renegociação e selecionar o número de parcelas. O programa prevê pagamentos com taxa de juros de 1,99%; parcela mínima de R$ 50; em até 60 vezes; prazo de carência de no mínimo 30 dias e de no máximo 59 dias. O pagamento das parcelas poderá ser feito por débito em conta, PIX ou boleto bancário. Os devedores também terão direito a um curso de educação financeira. Em caso de inadimplência após a renegociação, o beneficiário pode voltar a ficar com o nome sujo. Faixa 2 Destinada para pessoas com renda mensal de até R$ 20 mil. Vai atender dívidas inscritas até 31 de dezembro de 2022 e que continuam ativas. O devedor terá prazo mínimo de 12 meses para pagamento. Não abrange dívidas de crédito rural; débitos com garantia da União ou de entidade pública; dívidas que não tenham o risco de crédito integralmente assumido pelos agentes financeiros; dívidas com qualquer tipo de previsão de aporte de recursos públicos; e débitos com qualquer equalização de taxa de juros por parte da União. O governo não oferecerá uma garantia. Porém, em troca dos descontos na dívida, os bancos vão receber um incentivo para que aumente a oferta de crédito. Dívidas de R$ 100 Bancos que participarem do programa terão de perdoar e limpar imediatamente o nome de consumidores que devem até R$ 100. A estimativa do Ministério da Fazenda é de que 1,5 milhão de brasileiros que têm dívidas com esse valor sejam beneficiados com essa medida. Os bancos terão 30 dias para dar baixa das dívidas.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem