Família doará órgãos de adolescente morto em ataque a escola no Paraná


A família de Luan Augusto, de 16 anos, decidiu doar os órgãos do adolescente, que morreu após ser baleado pelo atirador que atacou uma escola em Cambé, no interior do Paraná. Luan foi internado no Hospital Universitário de Londrina em estado gravíssimo e faleceu às 3h27 desta terça-feira (20/06), horas depois de ser admitido na instituição. Ele era namorado da outra vítima do ataque, Karoline Verri Alves, de 17 anos, segundo parentes e professores. Somente os globos oculares do rapaz serão doados, pois são os únicos órgãos que podem ser utilizados em caso de parada cardíaca, como foi o dele. “A direção se solidariza com os familiares e lamenta todos os fatos ocorridos, reforça que o ato de doação de órgão é muito mais que um ato de coragem, é um ato de bondade e amor ao próximo, é permitir que outras pessoas possam continuar a viver”, declarou o hospital, por meio de nota. O adolescente foi atingido por dois tiros na cabeça, de acordo com um amigo da família. O pai de Luan, Rodrigo Augusto, falou ao portal “G1” que, originalmente, passaria o dia com o filho na segunda-feira (19/06), quando ocorreu o ataque. “Mora com os meus pais, e ele ia para escola hoje. Ontem falei com ele. É meu aniversário hoje, e a gente fica junto o dia inteiro no meu aniversário… hoje eu não pude de manhã”. O atirador, de 21 anos, foi preso ainda na segunda, momentos após o ataque. Até a chegada da polícia, ele foi imobilizado pelo funcionário de uma clínica vizinha à escola, que ouviu os disparos e correu para socorrer os estudantes. O criminoso, que era ex-aluno do Colégio Estadual Professora Helena Kolody, teria atirado para se “vingar de bullying”. Na madrugada desta terça, a polícia prendeu outro homem, também de 21 anos, suspeito de ser cúmplice do atirador. O tempo

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem