Header ads

» » » Prefeitura adia eleição do Conselho Municipal de Habitação em SP


Marcada para o domingo (27), nas sedes das 32 prefeituras regionais de São Paulo, a eleição para o Conselho Municipal de Habitação foi adiada, em função da decretação do estado de emergência na cidade e da greve nacional dos caminhoneiros.

Em nota, a secretaria de Habitação informa que a medida foi necessária para "não comprometer a efetividade e participação da população na eleição". Não há previsão de nova data para a votação.

O Conselho Municipal de Habitação participa dos planos e programas habitacionais da cidade, com poderes de deliberação e fiscalização.

Dos seus 48 membros, 16 vêm de entidades populares, escolhidos por votação aberta a todos os eleitores da cidade. Ni total, 16 são indicados pelo Poder Público e 16 representam organizações da sociedade civil, ligadas à área habitacional. Não há remuneração prevista para os conselheiros.

+ Estados decretam emergência no 6º dia de greve de caminhoneiros

Quatro chapas de entidades estão na disputa. São elas: Chapa 110 -Moradia e Reforma Urbana, Chapa 120- Democracia e Luta, Chapa 130 -Unidos pela Habitação e Chapa 140- MOP Movimento Popular 100% Compromisso.

O representante da chapa 130, João Bosco da Costa, diz ter "ficado atônito, sem reação" com a notícia do adiamento. Segundo ele, que faz parte da Adocc-SP (Associação de Defesa e Orientação ao Consumidor Contribuinte de São Paulo), a chapa "tinha toda uma programação, sem contar o custo de colocar uma campanha na rua. É muito triste", lamenta.

Já a assessoria do MOP, da chapa 140, diz "apoiar a posição da secretaria de Habitação". Além da falta de combustível, a entidade alerta sobre "o risco que as pessoas poderiam correr andando em um domingo deserto".

Marisete Aparecida de Souza, do Fórum dos Mutirões de São Paulo, da chapa 120, considera a suspensão "desnecessária"."A maioria [da população] vota na prefeitura regional, próximo à residência, sem necessidade de usar transporte público".

"Já havia uma mobilização total e distribuição de material e agora teremos que fazer uma nova força-tarefa", diz a representante.

"Foi feito um trabalho enorme de conscientização para mostrar a importância da eleição. Vamos ter que desmobilizar em pouco espaço de tempo", avalia, citando que o voto não é obrigatório.

Já Mariza Dutra Alves, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra - Leste 1 e da chapa 110, que congrega 22 entidades, diz concordar com a decisão da prefeitura. "O caos na cidade seria prejudicial às nossas famílias que iriam votar", argumenta. Com informações da Folhapress.

Noticias ao Minuto

About Alakshandush

Olá! Eu sou Leo design web.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply