Fraudes na rede de água chegam a 16 mil por mês, segundo Cagece


FOTO: FABIANE DE PAULA

No período de um ano, entre maio de 2018 e abril de 2019, cerca de 193 mil fraudes na rede de distribuição de água foram flagradas pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). O montante representa uma média de 16 mil fraudes por mês. Do total, 180 mil (93,3%) ocorrências tiveram registro em Fortaleza e Região Metropolitana (RMF), enquanto cerca de 13 mil (6,7%) se deram no interior do Estado.

No período, foram investidos R$ 4,7 milhões no setor de combate às fraudes, possibilitando a recuperação estimada de 117 mil metros cúbicos de água por mês – ou 117 milhões de litros, o equivalente a quase 47 piscinas olímpicas. De acordo com a Companhia, entre os principais tipos de fraudes estão as ligações clandestinas, irregularidades nos hidrômetros, violação de ligações cortadas ou do lacre do medidor e desvio de água antes do hidrômetro (by-pass).

A ligação clandestina, popularmente conhecida como “gato”, por exemplo, ocasiona vazamentos e perdas de pressão na rede, além da possibilidade levar ao desabastecimento de outras residências da mesma área. A Cagece alerta que, em alguns casos, a fraude também pode originar infiltrações que comprometem a estrutura dos imóveis.

Se o cliente for autuado pela Polícia Civil, responde por crime de furto e está sujeito a uma pena de dois a oito anos de reclusão. Assim que uma fraude é comprovada, a Cagece interrompe o fornecimento de água no imóvel e notifica o cliente. A penalidade para quem a comete é o pagamento de multa, além dos custos para regularização da ligação de água. Os valores têm acréscimo de 50% em caso de reincidência (confira os valores no infográfico).  

   (Diário do Nordeste)

Comentários