Limpeza de brinquedos infantis pode evitar transmissão de vírus e bactérias


Os brinquedos que fazem a diversão das crianças também podem ser depósitos de vírus e bactérias prejudiciais à saúde. Ursos de pelúcia, carrinhos de metal ou bonecas de plástico que os pequenos utilizam diariamente devem passar por higienização adequada pelo menos uma vez por semana. Além disso, cada material requer uma desinfecção específica, conforme recomenda especialista ouvida pelo O POVO.

A enfermeira Wanessa Barroso, coordenadora do Serviço de Higienização do Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara (HGWA), destaca que o brinquedo é um reservatório de microrganismos como bactérias, vírus e fungos. “Podemos ter brinquedos em casa, mas precisamos garantir a limpeza e desinfecção para a criança que vai usar esse material”, alerta.

Os microrganismos que ficam alojados nos brinquedos podem transmitir doenças como gripes, conjuntivite e o famoso “sapinho”, tipo de micose que atinge particularmente a região bucal. “É um hábito importante que as famílias devem desenvolver como medida preventiva e vale tanto para brinquedos usados por apenas uma criança como para os compartilhados entre irmãos”, comenta.

Assim como é importante assegurar a limpeza dos brinquedos infantis, o local onde a criança brinca também precisa ser higienizado. Segundo Wanessa orienta, caso os pais ou responsáveis pelas crianças percebam a presença de saliva ou secreção nos objetos, a limpeza deve ser imediata.

Atenção para os materiais

Para uma higienização efetiva, o material que compõe os brinquedos precisa ser observado. O ideal é que sejam de plástico, não poroso, de forma a certificar a desinfecção, que deve ser feita com água e sabão neutro e finalizada com álcool 70%. Nos bichinhos de pelúcia, a limpeza pode ser realizada com água e sabão. Em seguida, a secagem deve ocorrer ao sol.

Estudos realizados até o momento relatam tempos diferentes de sobrevivência do coronavírus nas superfícies materiais. No plástico, presente na maioria dos brinquedos, estima-se que o novo vírus permaneça ativo por até 72 horas. No papel e papelão a vida do vírus é de até 24 horas.

“Como as crianças manipulam bastante os brinquedos – e, tratando-se de bebês, muitos brinquedos são levados à boca constantemente – é imprescindível a higienização”, reitera Wanessa.

No caso de livros e revistinhas cujos materiais não sejam de fácil limpeza, o recomendado é a aplicação de plástico adesivo em capas e páginas para facilitar a limpeza, que pode ser feita com álcool 70%. A mesma dica vale para brinquedos que não possam ser lavados com água e sabão neutro.

Contato com outras crianças deve ser evitado

A enfermeira também lembra que, durante a pandemia, as famílias não devem manter contato físico com crianças que não estejam no seu círculo de isolamento social, “mesmo que seja aquele amiguinho do condomínio”. O isolamento social é feito entre as pessoas que vivem na mesma residência.

Confira a forma correta de higienizar cada brinquedo:

Cada material requer um tipo de limpeza específica (Foto: Divulgação/Governo do Ceará)

Foto: Divulgação UFC

Fonte: Diário do Nordeste

Comentários