Ceará recebe mais 343 mil doses de imunizantes da AstraZeneca e Pfizer para reforçar imunização contra Covid-19


Nesta sexta-feira (29), o Ceará recebeu mais 343.310 doses de vacinas contra a Covid-19. O primeiro voo aterrissou no Aeroporto Internacional de Fortaleza – Pinto Martins no fim da manhã, trazendo 205.250 doses do imunizante da AstraZeneca/Fiocruz. Destas, 186.600 doses foram enviadas após solicitação do Governo do Ceará ao Ministério da Saúde (MS) para aplicação de segunda dose (D2) nos próximos dias. Outras 18.650 doses ficarão armazenadas como reserva técnica.

Cerca de uma hora depois, 138.060 doses da Pfizer/BioNtech também chegaram ao Estado. Estes imunizantes vão ser usados para aplicação de segundas doses (D2), doses adicionais (DA) e de reforço (DR) na população cearense.

Na última terça-feira (26), o governador do Ceará, Camilo Santana, conversou com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reforçando o pedido de mais vacinas da marca AstraZeneca para o Estado. A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) já havia solicitado o envio por meio de ofício um dia antes.

Mesmo cumprindo agenda internacional, Camilo Santana destacou o esforço do Governo do Ceará para garantir que mais doses cheguem ao Estado para acelerar a imunização da população.

Após o desembarque no Aeroporto, a carga com os dois tipos de imunizante foi encaminhada para a Central de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadim) da Sesa.

A distribuição dos imunobiológicos será feita de forma proporcional aos municípios cearenses. Até o momento, o Ceará entregou às 184 cidades o quantitativo de 13.521.990 doses (CoronaVac, AstraZeneca, Pfizer e Janssen) – das 14.844.386 enviadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, ou adquiridas por compra direta junto ao Instituto Butantan. O agendamento da vacinação é de responsabilidade de cada município.

Dose de reforço

A dose de reforço é do imunizante da Pfizer e deve ser aplicada em todos os idosos a partir de 60 anos e nos profissionais de saúde. Ela deve ser administrada seis meses após a última dose do esquema vacinal comum (segunda dose ou dose única), independentemente do imunizante aplicado anteriormente.

Dose adicional

A dose adicional foi incorporada ao esquema vacinal contra a Covid-19 de pessoas com alto grau de imunossupressão. A administração da dose deverá ser de 28 dias após a segunda dose ou da dose única, independentemente do imunizante previamente aplicado.

Este grupo inclui pessoas com imunodeficiência primária grave; em quimioterapia; pacientes em hemodiálise; pessoas vivendo com HIV e aids; transplantados; entre outros.

Para este público, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) atualizou o sistema de cadastro para vacinação contra a Covid-19, disponível na plataforma Saúde Digital. Uma caixa de confirmação foi acrescentada ao conteúdo para autodeclaração de pessoas com imunossupressão.

Para fazer a alteração, basta que a pessoa com imunossupressão acesse a plataforma com login e senha e marque a opção de autodeclaração conforme a condição de saúde. O usuário deverá aceitar os termos legais e salvar a atualização.

A documentação comprobatória necessária no ato da vacinação para cada grupo está disponível em nota divulgada pela Sesa. Veja o documento completo.

Foto: Carlos Gibaja  / Fonte: Governo do Estado

Postar um comentário

0 Comentários