Ceará ainda não recuperou perda de empregos formais de 2015 a 2017


FOTO: Camila Lima. O Ceará ainda não recuperou o saldo de emprego perdido nos anos de 2015, 2016 e 2017. Apesar do Estado ter tido um saldo positivo de 10,3 mil vagas com carteira de trabalho no ano passado e outras 23,4 mil em 2018, os resultados ainda não foram suficientes para reaver o fechamento de 73,9 mil postos de trabalho em três anos (de 2015 a 2017). 

Segundo Mardônio Costa, analista de mercado do do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), o Ceará perdeu ritmo na geração de empregos no ano passado na comparação com 2018.

“Sob a ótica setorial, a diferença a menor entre os saldos de emprego de 2018 e 2019 de 12,8 mil postos de trabalho, em boa medida, pode ser explicada pelos saldos negativos da construção civil e da indústria de transformação, associados à relativa estabilidade do número de empregos gerados no comércio (2,4 mil) nos dois anos e do fato de que, nos serviços, o saldo positivo de emprego foi menor em 4,5 mil vagas”, explica.

Conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregos (Caged), do Ministério da Economia, a construção civil e indústria de transformação eliminaram conjuntamente 5,1 mil postos de trabalho.

“O comércio gerou praticamente o mesmo número de empregos de 2018 e, nos serviços, ocorrera uma desaceleração na criação de empregos no ano passado, registrando um menor saldo positivo”, acrescenta o analista do IDT. 

Segundo os dados, o setor de serviços foi responsável pela geração de 11,7 mil empregos, comércio (2,4 mil), agropecuária (521), serviços industriais de atividade pública (428), administração pública (161) e extrativa mineral (84). 

Por sexo, os homens tiveram saldo positivo de 5,6 mil empregos com carteira de trabalho, enquanto que as mulheres, 4,7 mil.                                 (Diário do Nordeste)

Comentários